Quem tem medo da segunda-feira?

12-10-2018

Se no domingo à tarde tem sentimentos como ansiedade, tristeza, angustia, desmotivação e à sexta-feira é o dos poucos dias que vai trabalhar com um sorriso é porque tem medo da segunda-feira. Ou melhor, muito provavelmente, você não é feliz na sua atividade profissional e sofre da síndrome da segunda-feira.

Deve ser muito desagradável viver com medo da segunda-feira. Pensar que a felicidade só existe em dois dias da semana e que os outros cinco dias são um autêntico inferno, é como viver de modo intermitente.


Se sofre da síndrome da segunda-feira é melhor que mude uma de duas coisas: mude de vida ou mude-se. 

Mudar de vida até parece muito radical mas não é. Para mudar de vida basta coragem para fazer o que se gosta e aqui é que está a grande dificuldade. Ter coragem para passar à ação aquilo que passamos o tempo a sonhar. 

Mudar-se significa adaptar-se às circunstâncias, mas não é resignar-se! Muitas vezes a solução passa por olhar para a mesma situação mas com outra perspetiva. Sem que nada à nossa volta seja alterado, é o nosso olhar que se altera sobre a envolvente. Esta mudança talvez aparente alguma facilidade, mas penso que é das mais difíceis. Obriga-nos a olhar para dentro, a valorizar o que temos e a relativizar a nossa realidade. É uma alternativa menos dramática neste tempo de mudanças rápidas e constantes.

Para quem quer mudar de vida


Porque será que as pessoas "vivem" infelizes com aquilo que fazem? A maioria das pessoa acredita que o trabalho não passa de uma atividade difícil de realizar e que é um mal necessário para pagar as contas. Sim, podem existir muito momentos na vida que não temos outra opção e, por uma questão de sobrevivência, aceitamos desempenhar determinada função em troca de um ordenado. Mas tem de ser assim a vida toda? Acredito que não! Não temos de viver a vida toda a fazer algo que não gostamos. Podemos experimentar outras coisas que nos fazem felizes e ganhar dinheiro com isso. Pense nestas três perguntas:

  1. O que gosta muito de fazer e faria até de graça?
  2. O que faria da vida se não precisasse de trabalhar?
  3. Onde investiria cem mil euros?

A resposta a estas perguntas podem dar-lhe uma pista para mudar de vida. Não tem de ser um processo rápido e radical, mas pode ser um projeto de vida para ir desenhando.

Para quem se quer mudar

Se mudar de vida é um grande passo, experimente mudar-se sem alterar o meio. Acredito que a sua profissão tem coisas positivas e só você poderá reconhece-las. Consegue listar cinco coisas positivas da sua profissão? E se forem dez? Experimente! 

Agora pense no que não gosta no seu trabalho. A partir daqui faça um balanço das coisas positivas e negativas. Espero sinceramente que encontre um saldo positivo. Se o seu saldo foi negativo avalie de que forma pode melhorar o seu bem-estar. Tome nota destas sugestões:

  1. Investir em formação profissional para abrir novas oportunidades de uma possível promoção;
  2. Organizar saídas com os colegas de trabalho de modo a conhecê-los melhor;
  3. Criar um grupo de voluntariado com os colaboradores da sua empresa. O sentimento de partilha e de ajuda ao próximo pode ser uma fonte de motivação;
  4. Partilhar ideias para promover o bem-estar geral da empresa;

  5. Distribuir as tarefas por todos os dias da semana e não sobrecarregar a "má da fita" da segunda feira;

  6. Saiba que não é a única pessoa a sofrer desta síndrome. Criar um grupo, virtual ou não, com pessoas que sintam o mesmo onde possam partilhar experiências, ideias e sentimentos;

  7. Marcar tarefas prazerosas no final do dia da segunda-feira como jantar fora, cinema, passeios, etc.

O grande problema não é a segunda-feira, mas sim o que começa a fazer nesse dia. Se sentir realização profissional naquilo que faz qualquer dia da semana é bom! Vá, agora entregue-se à segunda-feira de braços abertos, afinal só tem 52 segundas-feiras no ano de 2019.

Cristina Pinto