Plante um lápis e colha...ervas aromáticas

28-09-2018

Se quem semeia ventos colhe tempestades, quem planta um lápis colhe o que quiser. Imagine que um lápis de carvão chega ao fim e em vez de o colocar no lixo, coloca-o num vaso. Depois, é só regar e brotará uma erva aromática, um legume ou uma planta.

Por muito digital que seja o momento que estejamos a viver, não abdico de escrever à mão, de preferência a lápis! Adoro a sua textura, o deslizar no papel, o tipo de letra que consigo e poder apagar sempre que me apetece.

Esta semana encontrei uns "lápis verdes". São feitos em papel de jornal 100% reciclado e, quando estiverem curtinhos para escrever, podem ser plantados! Sim, o lápis pode ser plantado e depois pode comer o da terra brotar. 

A ideia é muito simples. No lugar da borrachinha que alguns lápis têm na ponta, estes têm uma cápsula (acho que lhe posso chamar assim) com sementes no seu interior. A ponta do lápis é colocada na terra virada para baixo e na diagonal. Depois de o regar, o lápis é removido ao fim de 3 a 4 dias quando a cápsula se desprende pelo efeito da água, que liberta as sementes. E, ao fim de pouco tempo surgirão os primeiros rebentos.

O pequeno lápis que é retirado da terra, além de não ter o aro metálico com a borracha (que raramente se usa até ao fim), continua a ser um lápis ecológico porque apenas sobra papel de jornal e carvão.

O meu pack, com cinco lápis, traz sementes de cenoura, coentros, espinafres, mostarda e feno-grego (é utilizado como especiaria e planta medicinal). Penso que vai demorar mais tempo a gastar o lápis do que as sementes irão demorar a germinar!

Onde comprar estes lápis?

Danke: Aqui pode personalizar os lápis com a marca da sua empresa e utilizá-los como brindes publicitários. Quer um brinde mais sustentável do que este?

Planetiers: Têm lápis com sementes de manjericão, calêndula, salsa, amor-perfeito, hortelã, camomila, coentros, girassol e tomate cereja.

Ainda existe a necessidade de repensarmos o que adquirimos e o que deitamos fora. Esta ideia consegue ser sustentável, inovadora, simples e cria uma consciencialização do desperdício. 

Ainda estou indecisa no lápis que vou gastar primeiro. Coentros ou espinafre?

Cristina Pinto


Trabalhar a partir de casa é o desejo de muitas pessoas. Sonham não ter de enfrentar o trânsito, acordar mais tarde, ter tempo para outras tarefas, estar mais tempo junto dos filhos, alimentarem-se a horas com comida feita em casa e, sobretudo, não terem de cumprir um horário fixo.

Queria ser jornalista. Depois de terminar o curso, Filipa conseguiu alguns estágios em jornais e publicações locais. Trabalhava sem contrato e sem horário, mas com muitas promessas. Estava a começar a sua carreia e a esperança tornou-se a razão para apostar tudo em cada experiência que saía frustrada. O jornal fechou, a revista não lhe pagou o que...

Por mais livros que as pessoas leiam, por mais cursos que as pessoas frequentem, por mais gurus que as pessoas sigam, há sempre alguém com dificuldade em mudar de vida.