Como começar a escrever

04-07-2022

Há algum tempo disseram-me que um objeto criativo só terá valor se estiver exposto, se for visível aos olhos dos outros. Escondido, não é nada. Não existe. Não tem nenhum valor. Quando o resultado de uma arte está visível a outros olhares, agradará ou não aos outros. Mostrar ao mundo o que faz, é um risco que corre. Fica sujeito à critica.

Se o seu objeto criativo for a escrita e sentir receio da crítica, nunca dará a conhecer o que faz. Ninguém o poderá apreciar ou repudiar. Não terá os louros nem a depreciação.

Qualquer pessoa que aprendeu a ler e a escrever, deveria conseguir escrever um bom texto, mas nem sempre é assim. Seja por receio da crítica, de não se sentir bom o suficiente ou nem saber por onde começar. Por isso, nem sequer tentam. Quantos mais escritores teríamos se, muitos deles, não tivessem medo de se expor?

Comece

Se só decidiu começar quando estiver pronto, provavelmente nunca estará. Comece se tiver pronto ou se não estiver. Na minha opinião, nunca ninguém está pronto, mas alguns começam e outros não.

Tome notas

Escreva ideias, frases importantes, pensamentos secretos e tudo o que estiver a esvoaçar na sua cabeça. Podem ser ideias maravilhosas ou pensamentos idiotas. Não os desperdice. Pode ser que se transformem em alguma coisa fantástica, mas não perca o que a sua criatividade lhe ofereceu. Use um caderno, grave um áudio ou registe no seu telemóvel, mas guarde o que considerar interessante.

Defina o tema

Escolha o tema que quer escrever. As ideias que teve anteriormente podem ser muito boas, mas nem todas poderão servir para o mesmo tema, mesmo que digam respeito ao mesmo assunto. Considere o tema como uma parte de um assunto. Dentro de um assunto, pode escrever sobre vários temas. Escolha um.

Encontre o seu público

É importante definir para quem escreve. Se escrever para todos, não está a escrever para ninguém. Pense numa pessoa que gostaria de ouvir a sua mensagem. Imagine que está a falar para essa pessoa. Construa uma frase como se estivesse a conversar com ela a seu lado. Ajuste a frase a um discurso escrito.

Liberte-se

Sem medo de escrever e sem julgamentos. Sou a primeira pessoa a julgar-me. Muitos textos que escrevo nem sequer veem a luz dia. Porque considero que não estão assim tão bons ou porque estão demasiado banais. Ou estão mesmos maus! Nunca irei escrever um texto que agrade a todos, mas se não o publicar, nunca ninguém o conhecerá. Se o seu objetivo for escrever um diário, este poderá ser um ótimo exercício de escrita e um treino para a inspiração. Por isso, escreva sem medo de julgamentos.

Não pare

Escreva. Escreva muito. Quanto mais escrever, melhor se tornará. De preferência, todos os dias. Se começar com entusiasmo, não o perca no caminho. Não tenha medo se não souber como irá terminar. Nem sempre sabemos como irá acabar, mas se continuar novas ideias surgirão até estar concluído.

Reveja tudo

Ler e reler tudo o que se escreveu é muito importante. Pode fazê-lo à medida que vai escrevendo ou no fim de ter todas as ideias escritas. O texto é seu, a técnica é sua. No fim, releia sempre tudo, mas não de imediato. Dê algum tempo para criar uma certa distância. Se lhe for possível, espere um dia ou dois e volte a ler tudo. Se reler assim que terminar, alguns erros de simpatia poderão escapar-lhe. Se preferir, pode também pedir a alguém da sua confiança que lhe leia o texto. Aceite as críticas que surgirem e veja se faz sentido melhorar o que escreveu.

A leitura regular aumenta o seu vocabulário e o exercício de escrever com regularidade torna a sua escrita ainda melhor. Se gosta mesmo de escrever, não crie expetativas elevadas. Escreva com prazer e a criatividade surgirá. O resultado poderá ser "apenas" a grande satisfação de ver a sua obra concluída.

Até breve,

Cristina


Acredito que já tenha lido estas duas palavras. E se tem dúvidas na utilização do hífen, uma breve e simples explicação para ficar sem essa dúvida.

Sem que ninguém esperasse, a semente de uma macieira vingou. Cresceu e tornou-se uma bela árvore. Ainda era jovem, mas já assumia uma beleza que se destacava das outras árvores. As suas folhas verdes e viçosas aumentavam a cada dia. Em pouco tempo, ela ocupava um espaço que não lhe estava destinado. As suas raízes eram fortes e o seu...

Adoro pão de Deus. Especialmente do coco, mesmo no centro do bolo. E se tiver húmido, melhor. Comprei um destes bolos com nome de pão e, como sempre, comecei por comer as bordas. Nem uma trinca na parte do coco. Como já disse, adoro coco, por isso, deixo-o para o fim. Quando finalmente cheguei ao centro do bolo, cheio...