A Magia do Natal ou a Crise de Janeiro

20-12-2019

Aproxima-se a noite de maior união do ano. Já tem quase tudo preparado? Como organizou o seu Natal? Quantas pessoas serão à mesa na noite da consoada? O que vai cozinhar ou comprar nesta quadra?

Não leve a mal tantas perguntas, mas a organização tem tanto de arte como de previsão. Lembra-se dos anos em que cozinhou refeições natalícias, algumas muito sofisticadas, outras nem tanto, mas cheias de calorias? E a quantidade industrial de sonhos e rabanadas que sobraram?

Não há problema! Estas gulodices duram vários dias (até à próxima semana, pelo menos), por isso, não se estragam. Comem-se.

Na semana a seguir, o ritual em muitas casas volta a repetir-se. Afinal, é o último dia do ano e em janeiro começa a dieta.

Em janeiro, talvez comece o ano com mais alguns quilos, com o frigorífico cheio de restos, a embalagem de Rennie em cima da bancada da cozinha e várias garrafas de água com gás vazias. Não é por acaso que janeiro é um mês de grande contração económica, apesar do subsídio de Natal recebido no mês anterior.

Será que é preciso tanto? Será que podemos equilibrar as coisas? Como é que se ganham uns quantos quilos em apenas dois dias de festa e se chega a janeiro com dois objetivos: fazer dieta e poupar?

Talvez tenha comido de demais. Talvez tenha gastado demais.

Fazemos sempre grandes planos para a festa, mas esquecemos que temos de apanhar as canas no fim.

É só uma ceia, mas não se esqueça que comemos sempre menos quantidade do que aquela que imaginamos conseguir comer.

«Mais vale sobrar do que faltar.»
«Mais vale sobrar do que faltar.»
«Perdido por cem perdido por mil.»
«Perdido por cem perdido por mil.»

Será que vale a pena desperdiçar alimentos ou comer por comer? A minha sugestão é apenas uma: Equilíbrio. Com um bom planeamento e organização é possível ter uma refeição rica em diversidade e qualidade.

  • Confirme o número de pessoas que terá à mesa em cada refeição.
  • Combine com os restantes familiares e amigos quem leva o quê.
  • Escreva tudo o que vai colocar na mesa. 
  • Se apostar na variedade, faça doses pequenas.
  • Reserve espaço no frigorífico e no congelador para guardar as sobras. 

Quanto melhor organizar esta quadra, menos sacrifícios terá de fazer depois. 

Talvez não precise de uma dieta rigorosa em janeiro, mas de voltar a um regime alimentar equilibrado. 

Talvez não precise de sentir que o ordenado do mês de janeiro é o mais pequeno do ano, se não gastar tudo em dezembro.

Votos de um Natal verdadeiramente mágico com excessos de amor, alegria e sabedoria.

Cristina Pinto