A felicidade acontece ao meio-dia

06-09-2019

"Quem é feliz é bobo." Enquanto ouvia esta frase, há muitos anos, num programa de televisão, alguém abanava afirmativamente a cabeça e concorda com uma voz triste. Fiquei perplexa! Naquele momento, o significado que era dado à felicidade era de uma coisa fútil, pateta e estúpida. Podia então concluir que a felicidade era ridícula. 

Pois podia, mas não foi isso que aconteceu. Mantive a crença de que as pessoas deviam ser felizes. Sabia que a felicidade era um estado, e eu, sabia apreciar esses momentos. Felizmente, não me tinha moldado àquela forma triste de pensar e de sentir. 

Ninguém está feliz todos os dias e com a mesma intensidade. A busca pela felicidade só existe porque existe uma permanente insatisfação com a situação em que a pessoa se encontra. O desejo de ter coisas e de ser outra pessoa que não aquela, leva a uma busca constante. Se não existir desejo, não há frustração, mas as pessoas desejam sempre alguma coisa. Como um círculo vicioso, logo que conseguem essa coisa, voltam a desejar outra. 

Faça um exercício simples 

Um exercício de memória. Recorde aquilo que já desejou intensamente e a felicidade que sentiu quando a conseguiu. Pode ser qualquer coisa. Uma casa nova. Um emprego sonhado há muito tempo. Um aumento de ordenado. Um amor! Uma viagem ou um reconhecimento profissional. Ainda sente o mesmo? Não precisa de me responder. Provavelmente, não.

Parece que a felicidade está onde não estamos. Procuramos a felicidade no futuro quando projetamos desejos que ainda não aconteceram. E, quando acontecer, seremos certamente felizes. Acreditamos nós. 

Onde está a felicidade?

Se não está no futuro, onde está ela? Quando caminhamos na praia, no início ou no fim do dia, a nossa sombra é projetada para a frente (depende do sentido da marcha). Em cada passo que damos, empurramos a sombra sempre um passo à frente. E, quando tentamos alcançar a sombra fugitiva, nunca conseguimos, porque ela escapa-nos dos pés. Pois é! A sombra é como a felicidade, e ela, não está aí, nesse futuro tão próximo e tão longe ao mesmo tempo.

Só vai conseguir alcançar a felicidade quando for meio-dia. Quando a sombra estive debaixo dos seus pés, é o seu momento presente. Não hipoteque a sua felicidade ao sol da tarde.

Às vezes, está à espera de alcançar a sombra que se projeta à frente dos seus pés e desperdiça aquele momento em que o sol está por cima da sua cabeça, e nem repara que já está em cima da sombra, ao meio-dia. 

Quanto maior for a sua sombra, mais pequeno é o seu estado de felicidade.

Neste curto vídeo, Leandro Karnal, fala do desejo, sempre incenssante, e da incapacidade de se sentir feliz no presente.


Até à próxima sexta … ao meio-dia.

Cristina Pinto